Não se perca no tempo!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Trajetória do Serviço Social e as diferentes utilizações dos instrumentais técnicos operativos


  1. Início da profissão
  • Os instrumentais técnico-operativos utilizados foram recuperados das formas tradicionais de assistência, com orientações técnicas e doutrinárias da Ação Católica;
  • A razão técnica disseminada pelas Ciências Sociais foi incorporada pelo Serviço social;
  • A intervenção profissional nesse período possui um cunho individualizante baseado na relação Assistente Social-cliente;
  • Os procedimentos profissionais revelam um trabalho de orientação moral e social com base na doutrina religiosa, cujo objetivo era realizar uma reforma social (reciclar o homem e a família);
  • O contexto histórico, social e econômico exigiu uma tecnificação dos Assistentes Sociais, a fim de que  os profissionais fizessem uma intervenção ideológica para enquadrar os pobres aos interesses econômicos e ideológicos da burguesia brasileira. 
  • Para atender tal exigência, o Serviço Social importou da Sociologia americana um acervo de procedimentos interventivos que relacionavam-se com a Psicologia behaviorista.;
  • A abordagem profissional dominante passou a ser o Serviço Social de Caso, cujo arcabouço operacional era o estudo-diagnóstico-tratamento;
  • Na segunda metade da década de 40, o Serviço Social de Grupo se consolida no país.
2. Décadas de 50 e 60
  • A utilização da abordagem Desenvolvimento de Comunidade possibilitou uma mudança na forma de intervenção profissional: a abordagem passa de individualizante para coletiva, que busca promover uma harmonia na relação Estado-sociedade;
  • Ocorre uma articulação do Serviço Social com outras profissões;
3.  Década de 70
  • O projeto profissional sintoniza-se com o projeto modernizador;
  • A profissão laiciza-se e moderniza-se;
  • A profissão adquire um arsenal técnico mais sofisticado para planejar, coordenar, acompanhar e avaliar programas sociais;
  • Nesse período é requisitado da profissão: o domínio da burocracia estatal, a utilização da pesquisa social e planejamento como principais instrumentos da prática;
  • Há uma exigência para que a profissão supere os limites da prática do Serviço Social de Caso, Grupo e Comunidade. Entretanto, o que ocorre é uma "maquiagem" nas antigas práticas. 
  • Na tentativa de dar um caráter científico a essas práticas, o Serviço Social cai em um ecletismo por recorrer aos valores neotomistas e à referências teóricas de estrutural-funcionalista;
  • Ao final da década, a corrente da modernização conservadora sofre críticas das correntes reatualização do conservadorismo e da intenção de ruptura;  
4. Década de 80
  • A reabertura política possibilita questionamento da sociedade;
  • Uma parcela de profissionais buscam desvelar contradições sociais e assumem uma postura de apoio às classes subalternas;
  • A utilização dos instrumentais técnico-operativos são redirecionados com ênfase em práticas coletivas que objetivam a participação popular. A exemplo, discussões, debates (que estavam presentes na prática do Desenvolvimento de Comunidade, entretanto, agora não visam a adequação dos indivíduos à ordem);
  • Os profissionais adquirem a prática de investigar para conhecer a realidade;
  • Ocorre a aproximação de parte da categoria com o marxismo;
5. Década de 90
  • Novas configurações sociais, econômicas e históricas;
  • Verifica-se um papel educativo desempenhado pelos assistentes sociais, a partir das funções de informar, esclarecer, etc.;
  • Permaneceu a utilização de instrumentais e técnicas antigas, mas isso não significa que a forma de usar    tais arsenais técnico-operativos não tenha modificado-se.
EM SUMA, OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS ESTÃO VINCULADOS À UM DADO MOMENTO SOCIO-HISTÓRICO, BEM COMO SUA UTILIZAÇÃO POSSUI UMA DIREÇÃO SOCIO-POLÍTICA.

TRINDADE, R. L. P. Desenvolvendo as determinações socio-históricas do instrumental técnico-operativo do Serviço social na articulação entre as demandas sociais e projetos profissionais. In: Revista da associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário